28 de novembro de 2010

Um encontro casual - de Paulo Coelho


Quando perdemos a conexão com o nosso ser interior, desconectamo-nos do sentido da nossa existência. Achei incrivel este texto do Paulo Coelho, porque nos auxilia a perceber como o Universo cuida de nós e sempre se faz presente, com retornos e respostas, basta  nos  darmos a chance de escutar e deixar falar o coração:


"O escritor Chistopher D’Antonio caminhava deprimido pela pista de corrida do East River, na cidade de Nova York. Na realidade, sua depressão tinha atingido tal intensidade, que planejava cometer suicídio naquela mesma tarde.

Sua impressão era de que a atividade de escritor – à qual vinha se dedicando há décadas – não tinha nenhum valor real, e não fazia muita diferença. O que ele havia realmente deixado de concreto para a humanidade? Seu trabalho não havia mudado o mundo, como ele sonhava.

D’Antonio resolveu passar do pensamento à ação. Subiu na grade que separa a pista das águas do East River, e ali permaneceu, com os olhos fixos na água escura, procurando reunir coragem para seu último ato.

De repente, uma voz feminina – cheia de alegria e entusiasmo – o interrompeu.

“Com licença. O senhor não é o escritor D’Antonio?”

Ele, com indiferença acenou a cabeça.

“Espero não incomodá-lo”, disse a moça. “Talvez esteja interrompendo um momento importante de reflexão”.

“Está. O que a senhorita deseja?”

“Não vou tomar o seu tempo, pois sei que tem muita coisa importante para fazer. Mas simplesmente precisava lhe dizer como seus livros foram importantes na minha vida! Eles me ajudaram de uma forma incrível, e eu só queria agradecer”.

D’Antonio desceu da cerca, apertou a mão da moça, e, com os olhos fixos em seus olhos, respondeu: 

“tenho que voltar para casa agora; realmente ainda há muito que fazer, e não posso ficar aqui por mais tempo. Mas, na verdade, sou eu quem lhe diz obrigado”.

Seu trabalho tinha ajudado aquela mulher; era uma maneira de mudar o mundo."

Autor: Paulo Coelho
Fonte:http://g1.globo.com/platb/paulocoelho/

23 de novembro de 2010

Como é bom ter paz interior… Gasparetto


 "Você anda contagiada por supostas energias maléficas? Que tal exercitarmos juntos o poder da vibração? Sente-se confortavelmente num lugar tranquilo e leia o texto a seguir em voz alta. Vamos lá?

Não desanime e nem deixe as experiências frustrantes colocarem-na pra baixo. Desvie-se disso e ponha só um pensamento na cabeça:

“Cuidar de mim é o maior investimento que posso fazer. Meu tempo e empenho me capacitam. Eu trabalho e tenho lucros extraordinários. Meu pensamento positivo me torna confiante no futuro, porque sei que posso vencer qualquer obstáculo. Eu garanto um amanhã melhor.”

Agora, sinta-se dona de si mesma e diga: “paz, paz, paz…”. Até sentir a alma serenar e a mente se acalmar. Até sentir a poeira das emoções baixar e os conflitos internos e externos se aliviarem. Vibre paz. Sinta-se um monge sentado no alto da montanha, contemplando o mundo silencioso. Desprenda-se de toda dor. Observe o vento, os vales, montanhas, o horizonte e a imensidão do céu.

Os conflitos e tensões agora se transformam em paz porque você está em paz. Sinta paz mental, repare essa sua cabeça maravilhosa que aprende e reaprende!

Perceba a paz de suas emoções, a paz no seu corpo, essa extraordinária máquina poderosa, que tanto a serve. Perceba a paz em cada célula e no prazer das pequenas coisas, como contemplar um pôr do sol no horizonte, do simples ser você mesma.
Sinta a paz que as boas amizades nos trazem. 

A paz na troca das parcerias profissionais. A paz que te faz mais bela e atraente, que simplifica o complicado. A paz que dá espaço para a reflexão e a atuação perfeitas num mundo tão imperfeito. A paz que abre portas e novas perspectivas. A paz nos olhos para ver o mundo e compreender tudo, até as injustiças. A paz na boca que une, ergue, constrói. A paz no gesto que organiza e prospera.

Ter a paz é sentir a expressão da própria vida, que é tão valiosa. Vibre mais uma vez nessa paz e irradie esse prazer para tudo. A paz é a luz que invade a escuridão e anula as ilusões. A paz cria a verdadeira realização. Sempre vou repetir a palavra paz dentro de mim e ela vai me levar a esse estado único de prazer. 

Quero me manter assim até conquistar todos os meus objetivos nesta vida."

Autor: Luis Gasparetto
Fonte:http://mdemulher.abril.com.br/blogs/luiz-gasparetto/categoria/autoestima/

Sua Crença em Deus é na Verdade a Crença em Você Mesmo- de Joseph Murphy

 "Se você acha que Deus é um Moloch dos céus, cruel, vingativo, incompreensível, tirânico e canibal, espécie de sultão ou déspota oriental que o castiga, você sofrerá as conseqüências de pensar I assim, e sua vida será enevoada, confusa e cheia de limitações de todos os tipos. 

Em outras palavras, você sofrerá os resultados da natureza de sua crença em Deus. Na verdade, você sofre experiências negativas devido à sua crença.

Deus será para você o que você achar que Ele é. Acima de tudo, adquira o conceito certo de Deus. Não importa o nome que você Lhe dê. Você pode chamá-lo de Alá, Brama, Vixnu, Realidade, Inteligência Infinita, Presença Curadora, Superalma, Mente Divina, Arquiteto do Universo, Ser Supremo, Princípio da Vida, Espírito Vivo ou Força Criadora. O ponto é que sua crença ou convicção em Deus governa e dirige toda sua vida.

Milhões de pessoas acreditam num Deus que envia doenças, dores e sofrimentos; acreditam numa deidade cruel e vingativa. Não têm um Deus bom e, para elas, Deus não é um Deus de amor. 


Alimentando conceitos tão fantásticos e ignorantes sobre Deus, elas sofrem as conseqüências de suas crenças na forma de dificuldades e problemas de todos os tipos. Sua mente subconsciente manifesta suas crenças e as projeta como experiências; condições e acontecimentos.

Sua crença nominal em Deus não tem significado. 

O que importa é sua crença real, subconsciente - a crença do seu coração. 

Você sempre demonstrará sua crença; eis porque o Dr. Quimby declarou há cem anos: "O homem é a expressão de sua crença". Milhões de pessoas concebem Deus como um ser colocado lá longe no céu, possuindo todos os caprichos de uma criatura humana. Com um conceito desses, elas são como o homem de negócios que, uma vez, disse a este escritor: "Eu ficaria muito bem, se Deus me deixasse sozinho". 

Acredite que Deus é amor, que Ele o observa e cuida de você; acredite que Ele o guia, o impele para a frente e o .. ama, e sua vida verá maravilhas que transcendem seus sonhos mais caros!

E o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. (Isaías, 9: 6)


Ao ler estas linhas, meu caro amigo, comece agora, hoje, a entronizar os verdadeiros conceitos de Deus, exarados acima, e os milagres começarão a surgir em sua vida. Veja e saiba que Deus é todo bem-aventurança, alegria, beleza indescritível, harmonia absoluta, inteligência infinita e amor ilimitado, e que Ele é onipotente, supremo e a única Presença.

Aceite mentalmente que Deus é todas essas coisas tão deliberadamente quanto aceita o fato de estar vivo; então você começará a experimentar em sua vida os maravilhosos resultados de sua nova convicção sobre o Deus abençoado que existe dentro de você. 


Você verá que sua saúde, sua vitalidade, seus negócios, seu ambiente e o mundo em geral estão todos mudando para melhor. Você começará a prosperar espiritual, mental e materialmente. Seu entendimento e visão interior se desenvolverão maravilhosamente, e você se verá transformado num novo homem."
Do livro: O Poder Cósmico da mente, de Joseph Murphy
Fonte: http://www.acasadoaprendiz.com.br/

22 de novembro de 2010

O PLANTIO É LIVRE, A COLHEITA OBRIGATÓRIA.

"O resfriado escorre quando o corpo não chora.

A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.

O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.

O diabetes invade quando a solidão dói.

O corpo engorda quando a insatisfação aperta.

A dor de cabeça deprime quando as dúvidas aumentam.

O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.

A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.

As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.

O peito aperta quando o orgulho escraviza

O coração enfarta quando chega a ingratidão.

A pressão sobe quando o medo aprisiona.

As neuroses paralisam quando a"criança interna" tiraniza.

A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.

Preste atenção!
O plantio é livre, a colheita, obrigatória .".
.
Preste atenção no que você esta plantando, pois será a mesma coisa que irá colher!!
 
Fonte:http://seguidoresdaenergiapositiva.blogspot.com/2010/11

A diferença entre religião e espiritualidade- Conversando com Deus - Livro II, de Neale Donald Walsch.




"Sentir-se bem" é o modo de a alma dizer "presente"!
Agora muitas pessoas estão ridicularizando toda essa idéia de "fazer o que o faz sentir-se bem", Dizem que esse é o caminho para o inferno. Contudo Eu digo que é o caminho para o céu.

É claro que depende muito do que você diz que o "faz sentir-se bem". Em outras palavras, que tipos de experiências o agradam?

Contudo, Eu lhe digo que nenhum tipo de evolução já ocorreu através da negação. Se você evoluir, não será porque conseguiu negar-se as coisas que "o agradam", mas porque se permitiu esses prazeres e encontrou algo ainda superior. Porque como você pode saber que algo é "superior" se nunca experimentou o "inferior"?

A religião desejaria que você aceitasse o que ela tem a dizer em relação a isso. É por esse motivo que todas as religiões em última análise fracassam.
Por outro lado, a espiritualidade sempre será bem-sucedida.

A religião lhe pede para aprender com a experiência dos outros. A espiritualidade exige que busque a sua própria.

A religião não suporta a espiritualidade, porque a espiritualidade pode levá-lo a uma conclusão diferente de uma determinada religião - e isso nenhuma religião conhecida pode tolerar.

A religião o incentiva a explorar os pensamentos das outras pessoas e aceitá-los como seus. 
A espiritualidade o convida a deixar de lado os pensamentos das outras pessoas e ter os seus.

"Sentir-se bem" é o seu modo de dizer a si mesmo que seu último pensamento foi verdadeiro, sua última palavra foi sábia e seu último ato, de amor.
Para perceber o quanto você progrediu, avaliar o quanto evoluiu, simplesmente veja o que o faz "sentir-se bem".

Contudo, não procure forçar a sua evolução - evoluir mais e mais rápido - negando o que o agrada, ou evitando-o.
A negação de si mesmo é autodestruição.

Mas saiba que o auto-ajuste não é negação de si mesmo. 

Ajustar o próprio comportamento é uma escolha de fazer ou não algo baseado em sua decisão a respeito de quem é. Se você declara que respeita os direitos das outras pessoas, a decisão de não roubá-las ou estupra-las não é "negação de si mesmo". É uma afirmação de si mesmo. É por isso que diz-se que a avaliação do quanto alguém evoluiu é o que faz essa pessoa se sentir bem.

Se agir de forma irresponsável - comportar-se de um modo que você sabe que poderia prejudicar os outros ou causar-lhes sofrimento - é o que o faz "sentir-se bem", então não evoluiu muito, O segredo aqui é a consciência. 

E é tarefa dos mais velhos em suas famílias e comunidades criar e expandir essa consciência entre os jovens. De igual modo, é tarefa dos mensageiros de Deus aumentar a consciência em todas as pessoas, para que elas possam entender que aquilo que é feito para ou por alguém é feito para ou por vocês todos - porque todos vocês são Um.

Quando você parte de "todos nós somos Um", é praticamente impossível achar que prejudicar os outros o "faz sentir-se bem". 

O assim chamado "comportamento irresponsável" desaparece. 

É dentro desses parâmetros que os seres em evolução procuram experimentar a vida, que eu lhe digo para permitir-se ter tudo que a vida tem a oferecer - e você descobrirá que ela tem mais a oferecer do que você já imaginou.

Você é aquilo que experimenta. Experimenta aquilo que expressa.
Expressa aquilo que tem a expressar. Tem o que se permite ter."
 Autor: Conversando com Deus - Livro II, de Neale Donald Walsch. 
Fonte:http://www.acasadoaprendiz.com.br/conversa_com_deus_062010.html 

15 de novembro de 2010

Por que autoconhecimento é antídoto contra solidão- por Rosemeire Zago

"Creio que o maior antídoto para a solidão seja exatamente isso: autoconhecimento. Para isso, procure se observar mais, valorizar suas conquistas, identificar seus sentimentos, ouvir sua própria voz e respeitar aquilo que ouve e sente, aos poucos irá conhecendo um pouco mais sobre você mesmo e gostando desse ser especial que é você. Só se sente só quem não aprendeu a apreciar a própria companhia" "Solidão. Todos nós de alguma forma já nos sentimos sozinhos. Ainda que muitos se ocupem em excesso para sequer sentir a falta da companhia de alguém, mesmo quem diz não ter tempo para se sentir sozinho, que solidão é sinal de depressão, doença, coisa para quem não tem amigos, família, com certeza já se sentiu só em alguma fase da vida, em alguma situação. Quem nunca ficou até mais tarde no trabalho apenas por não querer ir para casa? Ou saiu do trabalho e foi se encontrar com os amigos?
Quem nunca se sentiu só após uma separação? E quem nunca entrou em casa e foi logo ligando a TV, o rádio, o computador? Por querer saber as notícias, ouvir música, receber e-mails, conectar-se com outras pessoas? Não, essas podem até serem as justificativas que a maioria diz, mas lá no fundo, o que desejam mesmo é fugir da solidão. E o que significa estar só senão estarmos em nossa própria companhia?

É, a solidão é antes de tudo a oportunidade que temos de nos confrontar com tudo que está bem dentro de nós, e assim, nos conhecer, cada dia um pouco mais. Mas para algumas pessoas, talvez a maioria, estar consigo mesmo, se conhecer, é sentido como algo doloroso, difícil, e até mesmo, insuportável.


Muitos moram com outras pessoas, não porque gostam de estar com essas pessoas, mas para não se sentirem sós. Outros mantêm seus relacionamentos pelo mesmo motivo e não por sentirem amor com quem dividem a mesma casa e a mesma cama. Mas por qual motivo a solidão é tão temida, causando verdadeiro pânico, fazendo com que pessoas mantenham relacionamentos destrutivos, infelizes?


Desde pequenos somos ensinados a sermos amigos de todos, a quem devemos dividir nossos brinquedos, sermos bonzinhos; na adolescência o que mais desejamos é ter muitos amigos e com isso nos sentirmos aceitos; vamos crescendo, casamos, temos filhos, e conforme o tempo vai passando, surgem as separações, perdas, decepções, e por opção ou falta dela, muitos vão continuando seus caminhos sozinhos. Mas o que fazer com aquele, que até então, era um total desconhecido? Passamos anos valorizando o que os “outros” querem, sentem, falam, e parece que se esqueceram de nos ensinar a olhar para dentro de nós.
Aprender a ficar só traz autoconhecimento

Portanto, não se culpe se você não sabe ficar só, é natural. Mas sempre é tempo de aprender. Aprender a se ouvir, se conhecer. Como é natural também sentir medo de olhar para quem você sequer foi apresentado. Como querer conhecer alguém que só ouviu críticas a respeito de si, fazendo-o sentir que tudo que faz, pensa, fala, sente, é errado? Não, não é nada fácil!

A própria sociedade discrimina quem não tem tantos amigos, sendo muitas vezes taxado como anti-social. Os tímidos que o digam... como sofrem por serem mais fechados. Os extrovertidos sim, têm muitos amigos, parecem agradar a todos, e por isso são felizes. Será? Esses mesmos “alegres crônicos” também chegam em casa, e muitos se deparam com o silêncio como companhia. E será que continuam se sentindo tão bem quanto demonstram? Nem sempre. Sem falar que mesmo acompanhados podemos nos sentir sozinhos, e essa parece doer ainda mais. Que paradoxo, não? Quando estamos sós queremos companhia e, mesmo com companhia, continuamos a nos sentir sozinhos.

Mas o fato é, como lidar com a solidão? Será que o mais apropriado não seria: como lidar com nossa própria companhia? Nessa pergunta creio que já está a resposta. O fato não é como lidar com a solidão, mas, sim, como lidar com nós mesmos. Sim, é muito bom estarmos com outras pessoas, principalmente com aqueles que nos amam e que amamos também, mas nem sempre isso é possível e pelos mais diversos motivos. O que é preciso pensar é que não se pode estar na companhia, de quem quer que seja, apenas para não ficar só, isso sim é pura falta de coragem para olhar para dentro de si e enfrentar os mais diversos sentimentos que tal encontro poderá despertar.

A solidão pode doer para qualquer pessoa, mas dói muito mais em que não gosta de si mesmo, quem não se admira, não vê em si mesmo qualidades, quem não percebe seu próprio valor, não se ouve, não aprendeu a se amar e se respeitar. Creio que o maior antídoto para a solidão seja exatamente isso: autoconhecimento. Para isso, procure se observar mais, valorizar suas conquistas, identificar seus sentimentos, ouvir sua própria voz e respeitar aquilo que ouve e sente, aos poucos irá conhecendo um pouco mais sobre você mesmo e gostando desse ser especial que é você. Só se sente só quem não aprendeu a apreciar a própria companhia. "


Autora: por Rosemeire Zago
Fonte:http://www2.uol.com.br/vyaestelar/autoconhecimento_solidao.htm

14 de novembro de 2010

Saúde não vem de graça, é conquistada a cada dia - por Emilce Shrividya Starling

"Quando meditamos e acalmamos nossa mente, temos boas intuições, ideias e insights para decidir corretamente, porque nos conectamos com o espaço de sabedoria dentro de nós" Um dos propósitos de nossa existência é buscar a felicidade. Tudo que fazemos é para sentir felicidade. E, uma das fontes da felicidade é ter saúde.
A saúde é um dos fatores necessários para uma vida feliz. Todos nós queremos ter saúde e desejamos saúde aos outros, pois ter saúde é muito precioso. Porem, precisamos entender que a saúde não vem de graça. Ela é conquistada a cada dia, cuidando de nosso corpo, da alimentação, de nossa mente e do espírito. 

O Yoga nos ensina a arte de ser feliz. E, nos ensina também, a arte de conseguir a saúde integral: saúde física, emocional, mental, social, e espiritual. 

Procedimentos essenciais para não adoecer e manter a saúde:

- Tenha o discernimento de não comer demais e nem de menos. Desenvolva a disciplina para escolher alimentos saudáveis, buscando na comida o prazer benéfico e não apenas o prazer momentâneo que adoece o corpo. 

- Fique livre de vícios que trazem dependência e doenças. Através do amor a si mesmo, a pessoa pode se libertar e ter autodomínio sobre seus sentidos. 

- Exercite seu corpo com regularidade, com motivação, disciplina e gentileza. Faça caminhadas, pratique hatha yoga ou tai chi chuan, musculação leve, alongamentos, Pilates ou natação. 

- Tenha aulas de dança, ou simplesmente dance espontaneamente. Ouça músicas bonitas e mantras. A música e a dança são terapias poderosas para alimentar o bom humor e a saúde.

- Aprenda a relaxar para criar novas energias e dissolver a ansiedade. Durma o necessário para descansar e renovar-se. 

- Compreenda que é uma terapia compartilhar os sentimentos, desabafar, partilhar as dúvidas, erros e alegrias com a família e amigos, porque as emoções e sentimentos reprimidos geram doenças como gastrites, úlcera, dores na coluna. 

- Não cultive a tristeza, nem sentimentos de culpa ou sentimentos de não aceitação da vida ou de autodepreciação porque trazem doenças pulmonares e depressão.

- Assim como a felicidade, a saúde pode ser alcançada através do treinamento da mente. Quando falamos de treinar a mente, estamos incluindo o intelecto e sentimento, coração e a mente. 

- Através de certa disciplina interior, podemos transformar nossa atitude e nossa maneira de encarar a vida, melhorando nosso bem-estar e tranquilidade.

- Com essa disciplina interior, começamos a identificar aqueles fatores que levam à saúde e à paz interior e aqueles que levam ao sofrimento. Depois da identificação, passamos, gradativamente, a eliminar os que levam ao sofrimento e a cultivar os que conduzem à saúde integral. Isso é de vital importância. 

- Acalme a mente através da meditação e da consciência da respiração para encontrar um ponto de equilíbrio interior. O estado da mente tem grande influência sobre nossa experiência do dia a dia. Quanto maior o nível de serenidade da mente, maior será a paz de espírito e a saúde. 

- A serenidade da mente tem como origem a compaixão, o afeto e o agradecimento. Quando dispomos dessa estabilidade interna, mesmo que faltem vários recursos externos para a felicidade, ainda é possível levar uma vida prazerosa. 

- Fique livre das dúvidas. A pessoa indecisa torna-se ansiosa, com angústias. Acumula problemas e preocupações e, isso traz doenças nervosas e gástricas, labirintite e problemas de pele. 

- É preciso ter coragem e discernimento para tomar decisões. Quando meditamos e acalmamos nossa mente, temos boas intuições, ideias e insights para decidir corretamente, porque nos conectamos com o espaço de sabedoria dentro de nós.

- Busque soluções e não aumente os problemas. Corte na raiz os pensamentos negativos e substitua-os por pensamentos positivos, de saúde, de prosperidade, de confiança.

- O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doenças. As pessoas negativas preferem lamentar e são pessimistas. Não veem as soluções porque só ficam focadas nos problemas. Entenda que “é melhor acender um fósforo do que lamentar a escuridão”.

- Entenda que somos o que pensamos, portanto, cultive pensamentos positivos que trazem entusiasmo e bem-estar. 

- Perdoe a si mesmo. Perdoe os outros e não guarde mágoas. Quem guarda ressentimentos perde a saúde e a alegria de viver. Quem perdoa tem saúde física e mente pacífica. 

- Se a pessoa nutre pensamentos rancorosos ou muita raiva, ela destrói a própria saúde, esse fator tão essencial para uma vida feliz. Por outro lado, se a pessoa conseguir manter um estado mental calmo, poderá ser feliz apesar de ter uma saúde frágil. 

- Aceite suas limitações. Aceite as críticas e aprenda com elas. Isto é sabedoria .

- Aceitar-se é fundamental para uma vida saudável. Quem se rejeita e não tem boa autoestima alimenta os venenos da mente: a autodestruição, a inveja, o ciúme. Não tem tranquilidade e adoece devido a esses sentimentos. 

- Desenvolva as qualidades como tolerância, paciência, compreensão, aceitação e confiança. 

- Confie na vida e nos outros. Sem essa confiança não é possível amizades verdadeiras e bons relacionamentos. 

- Confie em você mesmo. Confie no seu Deus interno. Sinta: Eu estou com Deus. Ele está comigo.

Lembre-se das palavras de Baba Muktananda, um grande Mestre yogue: “Deus habita em você, como você, para você. Veja Deus em cada um.” 

Permita que essa confiança lhe dê apoio interno para superar os desafios, ter boa saúde e fluir suavemente pela vida. Fique em paz! Namaste! Deus em mim saúda Deus em você! "

 Emilce Shrividya Starling
Fonte:http://www2.uol.com.br/vyaestelar/equilibrese.htm

10 de novembro de 2010

NÃO TENS NADA! de Alexandra Solnado

 
"Tu não tens nada. Nada na matéria é teu. Absolutamente nada. Tu não tens pai, nem tens mãe. Eles não são mais do que almas companheiras de jornada, que desceram contigo para partilhar. Não para possuir.
Tu não tens filhos, tu não tens família, nem amigos. Todos são almas. Almas que se juntam na nuvem para juntos encarnarem com um mesmo propósito, numa mesma direcção. Não são teus. Nunca serão. E nem tu és deles. Nunca. Nunca.

Pensa em quão libertador é não possuíres nada nem ninguém. Pensa o quão simples a vida se torna. Olhares para as coisas e pessoas como se fossem coisas e pessoas autónomas, livres da tua energia. Livres da mão pesada do teu apego.

Pensa assim: «Se eu não tenho nada e nada me pertence, então o que é isto tudo que está à minha volta? De quem são estas coisas? De quem são estas pessoas?» Resposta: São da vida. Foi a vida que tas cedeu, nesta tua breve passagem pela terra. São um presente do céu, para usufruir, para aproveitar, para «curtir», para partilhar. E, mais do que tudo, para aprender a largar.

Lembra-te sempre do que eu disse um dia: «Eu amo-te, independentemente de onde estiveres na vida física.» E no dia em que compreenderes que nada é teu, e que tudo te é cedido pela vida, vais começar a sentir, finalmente, a gratidão.

Gratidão por tudo o que está à tua volta, gratidão pelos presentes que a vida te dá, gratidão por compreenderes que tudo isto tem uma lógica, gratidão pela consciência. E quando sentires uma gratidão tão forte que quase arrebenta o teu peito, sobe. Sobe cá para cima. A gratidão é a forma mais completa de se chegar a mim."

O LIVRO DA LUZ – Pergunte, O Céu Responde
de Alexandra Solnado

Fonte:http://www.alexandrasolnado.com/

7 de novembro de 2010

(In) Tolerância nossa do dia a dia


"O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons."
Martin Luther King

Vamos falar um pouco da tolerância, este importante contraponto para nosso equilíbrio interior, para o nosso bem estar. Afinal,o mundo não vai mudar de acordo com o que desejamos, aceitamos ou queremos, mas é nossa postura em relação ao mundo, as situações e pessoas tão diferentes de quem somos, que vai fazer a grande diferença, isto vai. Primeiro precisamos entender um pouco o que é tolerância? Não é minha intenção promover um aprofundamento complexo, mas simplesmente elaborar uma pequena reflexão. Tolerância é uma palavra oriunda do latim, tolerantia, que simplificadamente significa suportar algo, alguma coisa, ou mesmo alguém, capacidade esta interpretada como uma virtude, afinal admitir, aceitar e respeitar formas diferenciadas de pensamentos, atitudes ou preferências num mundo com tantas diferenças de opiniões, atitudes, comportamentos é algo de imensa necessidade, relevância e valor..

A tolerância é uma capacidade humana que podemos e devemos acessar racionalmente, no entanto este exercício nem sempre é tão simples, porque lidamos com fatores outros onde as emoções interferem radicalmente. Este processo de centramento e equilíbrio acontecerá mais facilmente quando emergir naturalmente do nosso interior. Recentemente, numa situação que me exigiu muito auto controle, tive o maravilhoso insight que quanto mais paciência eu simplesmente pedisse, implorasse ao meu Eu Sou, mais situações aconteceriam para adquirí-la. A partir daí entendi que em qualquer circunstância eu deveria simplesmente evitar a resistência, vivenciando o momentum, o agora da situação em si..Numa percepção muito pessoal, entendi que minha atitude deverá ser identificar e tomar consciência da energia emergente, utilizando a preciosa ferramenta da auto-observação e ir em frente.

As vezes e muitas vezes identifico-me excessivamente com determinadas situações, principalmente as inesperadas. Nem sempre fico tão centrada como gostaria, tenho uma característica facilmente identificada como o famoso "pavio curto", mas quando nos encontramos neste maravilhoso e surpreendente caminho do auto-conhecimento, tudo dá certo. Nesta busca aprendemos a nos aceitar, a nos amar, a nos perdoar, recomeçando, avançando, aprendendo, evoluindo num processo continuo onde somos essencialmente responsáveis pelas nossas escolhas.. assim está sempre em nossas mãos evoluir ou estagnar..cada um a seu tempo!

Neste mundo contemporâneo, exigimos muito e queremos tudo para ontem, imaginando que as coisas deverão ser exatamente do nosso jeito e maneira...sonhamos os sonhos e para serem reconhecidos "tem" de vir exatamente daquele jeito como idealizamos no pacote..só que nem sempre é assim, as pessoas não pensam como nós pensamos, nem reagem como gostaríamos que reagissem, o que fazer com isto? Ameaçar, desqualificar pessoas que pensam diferente ou porque as coisas nem sempre acontecem como idealizamos, com atitudes extremistas, neonazistas, violentas, como tristemente aconteceu nesta campanha eleitoral no nosso país? Estas atitudes são filhas da intolerância radical, extrema, de pessoas acostumadas ao imediatismo e falta de uma consciência reflexiva, humana e democrática!! e nós como ficamos diante desta onda intolerante? Reagimos claro, porque e felizmente existem leis e justiça, porque na tolerância encontra-se implicitamente vinculada a compreensão de fatores imprescindíveis: respeito e limite, sobretudo e principalmente quando põe em risco e invade a liberdade e o direito alheio!


Tolerância significa aceitação.. mas não acomodação nociva, ou submissão incondicional a uma situação, idéias ou mesmo pessoas.Tolerância não significa recuo ou ausência de ação.. Lembremo-nos da historinha do mercador que não amarrou os camelos porque dizia que confiava tanto em Deus que os camelos não fugiriam.. no dia seguinte os camelos tinham fugido.. e Deus simplesmente falou, claro que eu estava cuidando dos animais, mas precisava das tuas mãos para amarrar as cordas!!!!! é simples, precisamos fazer a nossa parte, entendendo que o respeito é UM dos fundamentos para o exercício da tolerância e boa convivência, o respeito tem como desdobramentos flexibilidade, a assertividade, uma pessoa verdadeiramente e sinceramente tolerante, torna-se naturalmente fraterna, a partir da sua relação consigo mesmo.

As pessoas com grande capacidade de tolerância, são generosas, e muitas vezes tidas como seres sagrados, especiais.. o Dalai Lama é um grande exemplo na nossa atualidade.. prega a cultura da Paz, da tolerância entre os povos, ele que teve seu país e seu povo dominado pela força através da violência.. Estas pessoas iluminadas, nos ensinam e nos auxiliam com seu exemplo, sua imensa generosidade, o caminho para acessarmos esta capacidade que na realidade está em nós, em nossa alma..Só precisamos acessá-la, mas isto exige sacrifícios do próprio ego e um mergulho profundo e determinante em nós mesmos. No dia a dia a tolerância é imprescindível, a paciência é essencial.. uma conquista interior extraordinária para viver e deixarmos os outros viverem em paz.... com respeito, dignidade, justiça valores imprescindíveis para vida e evolução da humanidade..




Fonte:http://somostodosum.ig.com.br/clube/artigos.asp?id=24083

5 de novembro de 2010

Denúncia - eleições e preconceito aos nordestinos-Serviço Pastoral dos Migrantes

 
"Neste período eleitoral, onde a internet se mostrou um campo de batalha, sobretudo com a investida dos conservadores, mais uma vez, criminosamente, emergiu o preconceito aos nordestinos. 
 
Infelizmente muita gente, com mentalidade elitista, sem crítica social, estimulou o ódio, o separatismo e mesmo o racismo. As falas pelo twitter, blogs, chats, mostraram não apenas ignorância, mas preconceito e violência. O alerta foi repassado à sede do SPM por um de seus integrantes Pe. Valdiran dos Santos. 
 
O caso mais grave se deu com a estudante de direito, Mayara que, atendendo ao chamado da campanha tucana, transformou a campanha numa guerra entre o que ela chamou de "gente limpinha" e a "massa fedida", principalmente a que reside no Nordeste e "vive do Bolsa Família". Ela fez tais agressões já na noite de domingo, logo após o anúncio da vitória de Dilma Roussef. Na cabeça da menina, ela não deve ter falado nada demais. Afinal, é isso que ela deve ouvir desde criança entre familiares e amigos. Após a polêmica desencadeada na internet, mais manifestações preconceituosas foram surgindo e sendo por outros, contestada.

Imagine-se que tipo de advogada será esta estudante de direito, cultivando preconceitos e discriminações. Não será novidade que ela acabe servindo a uma minoria privilegiada e jamais ao bem comum, à justiça social. É preciso um profundo trabalho de conscientização e denúncia para que esta situação não se naturalize e vire rotina.
 
Em resposta a esse fato, uma historiadora assim se manifestou:
"a educação, em São Paulo, realmente parece ser muito deficitária. Estereótipos e pensamentos do século XIX ainda são muito presente em grande parte dos brasileiros, mas São Paulo vem se destacando como algo inimaginável. O comentário da moça é a prova disso. São criadas imagens e estas se repercutem ainda com tons preconceituosos. Só resta agora que grupos neonazistas aumentem seus números de participantes. Isso é deplorável e vergonhoso num país que se diz respeitador de diferenças, principalmente porque é um país mestiço em sua cor e muito diversificado em sua cultura."

LEI Nº 7.716, DE 5 DE JANEIRO DE 1989
Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional." (nova redação dada pela Lei nº 9.459, de 13 de maio de 1997).

NOTA DE REPÚDIO

O Serviço Pastoral dos Migrantes vem a público manifestar seu veemente repúdio ante as atitudes da jovem estudante de direito Mayara Petruso e seus pares por terem produzido e divulgado pela internet mensagens carregadas de discriminação, preconceito racial, incitação ao homicídio e outras ações violentas contra o povo nordestino, por ter exercido seu direito de votar livremente na Presidente eleita Dilma Roussef. 

Tais atitudes intempestivas ferem frontalmente a nossa Constituição que garante e defende a igualdade de direitos a todos os brasileiros e brasileiras.
Exigimos das autoridades competentes a apuração e punição contra quem anda inundando a rede de internet com todo tipo de mensagens ofensivas contra quem quer que seja. Estes atos gravíssimos, porque abomináveis, para que eles não venham mais manchar a alma da rica diversidade cultural do povo brasileiro.
Pe. Antonio Garcia Peres Neto

Secretário Executivo
São Paulo, 05 de novembro de 2010."

* Serviço Pastoral dos Migrantes- SPM
Fonte:http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=52187

4 de novembro de 2010

A Insensatez do Preconceito - Vinicius lousada


"É tempo de transformar. É tempo de educar. – Camilo

A presença do preconceito na atualidade denota nosso estágio de civilização incompleta que, embora tenha logrado diversos sucessos no campo da ciência e da tecnologia, não avançou suficientemente em desenvolvimento moral.

Fruto do egoísmo, este sentimento mostra-se como uma modalidade da violência que, não obstante o seu caráter simbólico, estigmatiza milhares de criaturas legitimando desigualdades e explicitando um espírito de intolerância pelo qual é veiculado.

O pensamento preconceituoso revela uma racionalidade instrumental, linear, rígida e egocêntrica, historicamente cultivada numa leitura da vida e do outro a partir dos referenciais do observador que, na sua soberba, coisifica os objetos de sua análise.

Assim, o outro, por ser diferente, passa a ser visto como oponente ou alvo de nossa conquista, e para se ter qualquer nível de proximidade, nega-se a existência de seu universo particular, convertendo-o ao nosso, ignorando-o, domesticando-o, na tentativa de destruir a sua identidade.

Tal habitus, apresentado ao longo da história da humanidade, nos processos colonizadores de terras e povos ou nas disputas religiosas e sangrentas, bem caracteriza a demência dos homens e mulheres que nele se enveredam desperdiçando relevantes oportunidades de aprendizado.

Leonardo Boff, numa reflexão muito pertinente sobre a ambigüidade da conduta humana, lembra que a racionalidade do homem moderno, tão elogiada por conquistar, desvendar os mecanismos da natureza e interpretar os sentidos do mundo, é a mesma que apresenta seu “lado de demência, de lobo voraz e de satã da Terra. É o homo demens demens.”(1) A criatura intelectualizada que descobre a cura de enfermidades, que legisla em prol da justiça social, também fomenta armas químicas, produz desigualdades, cultiva preconceitos. Na sua dubiedade comportamental a humanidade é sapiens e é demens, postula a favor da vida, mas também cede ao instinto de destruição.

E na sua escrita instigante, o referido filósofo cristão levanta um questionamento a respeito da possibilidade de se articular estas duas facetas do ser humano, ou seja, de uma síntese capaz de superar esta contradição sapiens/demens, sabedoria/demência, lucidez/estupidez, sugerindo que necessitamos “construir pontes. Criar uma terceira margem. Ultrapassar oposições.”

Acredito que o Espiritismo tem uma notável contribuição neste sentido, pois nos enseja compreender que somos seres imortais inseridos numa caminhada educativa e, por isso, progredindo, via reencarnação, em inteligência e moralidade. Dessa forma, apreendemos que esta dicotomia comportamental, ainda presente em nossa civilização, só será superada, conforme nos assinalam os Espíritos, “(...) quando o moral estiver tão desenvolvido quanto a inteligência.” (2)

Enquanto isso não acontece, o preconceito demonstra o egoísmo que há no psiquismo humano, ainda não totalmente burilado mas que, fatalmente, será levado a cabo no circuito das vidas sucessivas.

“O egoísmo é a persistência em nós desse individualismo feroz que caracteriza o animal, como vestígio do estado de inferioridade pelo qual todos já passamos.”(3) – diz-nos Léon Denis, reafirmando a Codificação que demonstra ser o egoísmo esta herança do primarismo pelo qual já transitou o princípio inteligente nos tempos em que andava na fieira da ignorância.

Vindo o Espírito, ao longo de sua jornada ascensional, aprendendo a domar os instintos pelos mecanismos do sofrimento, alargando a inteligência pelas exigências do trabalho, despertando paulatinamente para a presença e lutas de seus pares, é estimulado a desenvolver os sentimentos nos laços sociais estabelecidos, primeiramente com os membros do grupo consangüíneo, para acordar ao altruísmo que lhe é latente, a fim de atender pelo amor à realidade da grande família universal.

Atravessamos este processo evolutivo pelos reinos da natureza até chegarmos na fase hominal e um dia seremos Espíritos Puros.

Estagiamos nas variadas moradas do universo, reencarnamos em diferentes povos, vivemos em diversos climas, culturas e cores, alternamos a morfologia sexual – conforme as nossas necessidades evolutivas –, ora estivemos ricos, ora pobres... Sabendo disso tudo, a insensatez do preconceito se revela ainda mais patente aos nossos olhos.

Portanto, aprendamos a conviver respeitando as diferenças, rompendo qualquer concepção de racismo, sexismo, fundamentalismo religioso ou político. Optemos, no espaço público, pelo diálogo, pela multiculturalidade, pelo ecumenismo, pela diversidade étnica, pelo pluralismo, todos radicalmente necessários a uma democracia real!

Ao invés da competição, estabeleçamos a cooperação em nossos relacionamentos. Ninguém precisa abrir mão de suas convicções, mas tem de respeitar as dos demais.

Valorizemos a outredade(4) , reafirmada por Paulo Freire como a expressão do “não-eu” do outro. Cada qual possui sua identidade cultural, tem o direito de assumi-la e manifestar-se nela na vida social desde que não fira os direitos alheios.

Não queremos homogeneizar o mundo, correndo o risco de perder a beleza de sua diversidade, ou queremos?

Compreendamos o próximo como sendo outro ser, condutor de sua própria história, com suas razões, vivências, subjetividade e saberes, libertando-nos do desejo doentio de que sua fala seja eco da nossa, sua opinião reflexo da que portamos, ou ainda, que ele seja “clone” de nós mesmos.

“Abolindo os prejuízos de seitas, castas e cores, [o Espiritismo] ensina aos homens a grande solidariedade que os há de unir como irmãos.”(5) Então, tenhamos coragem de desrespeitar a lógica dos preconceitos, educando-nos com os valores que os saberes espíritas nos conferem para uma vida plena de aprendizagens significativas, afastando-nos da miopia do materialismo e fazendo-nos entender onde estão nossos verdadeiros interesses sob o prisma da espiritualidade."

1. BOFF, Leonardo. O despertar da águia: o dia-bólico e o sim-bólico na construção da realidade. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1988, p. 16, 17.
2. O Livro dos Espíritos, questão 791.
3. DENIS, Léon. Depois da morte. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 1987, p. 268.
4. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 14 ed. São Paulo: Paz e Terra, p. 46.
5. O Livro dos Espíritos, questão 799.

PRECONCEITO, RACISMO E DISCRIMINAÇÃO SOCIAL !

"Cartilha Cidadania para Todos


O Estado brasileiro foi constituído a partir de diferentes matrizes étnicas e culturais, formando, assim, uma sociedade multicultural. As desigualdades sociais, construídas historicamente com base na exploração econômica, violência e escravidão gerou um modo de pensar e agir desiguais.

Várias são as incompreensões existentes entre os termos Preconceito, Racismo e Discriminação.

O documento Brasil, Gênero e Raça, lançado pelo Ministério do Trabalho, define:

Racismo – "a ideologia que postula a existência de hierarquia entre grupos humanos";

Preconceito - uma indisposição, um julgamento prévio negativo que se faz de pessoas estigmatizadas por estereótipos";

Estereótipo - "atributos dirigidos a pessoas e grupos, formando um julgamento a priori, um carimbo. Uma vez ‘carimbados’ os membros de determinado grupo como possuidores deste ou daquele ‘atributo’, as pessoas deixaram de avaliar os membros desses grupos pelas suas reais qualidades e passam a julgá-las pelo carimbo";

Discriminação – "é o nome que se dá para a conduta (ação ou omissão) que viola direitos das pessoas com base em critérios injustificados e injustos, tais como: a raça, o sexo, a idade, a opção religiosa e outros".

Racismo é crime inafiançável e imprescritível.(Art. 5.º, XLII, CF).

Segundo a Constituição Federal, todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. A Carta diz, também, que constituem princípios fundamentais da Republica Federativa do Brasil o de promover o bem comum, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade ou quaisquer outras formas de discriminação.

Dentre os crimes resultantes de preconceitos de raça ou de cor, punidos pela lei (Leis N.º 7.716/89 e 9.459/97), estão os seguintes:

1 – Impedir ou obstar o acesso de alguém, devidamente habilitado, a qualquer cargo da Administração Pública, bem como negar ou impedir emprego em empresa privada.
2 – Recusar, negar ou impedir a inscrição de aluno em estabelecimento de ensino público de qualquer grau;
3 – Impedir o acesso ou recusar o atendimento nos seguintes locais: a) restaurantes, bares e confeitarias; b) estabelecimentos esportivos, casas de diversões e clubes sociais abertos ao público; c) hotéis, pensões e estalagens;
4 – Impedir o acesso às entradas sociais em edifícios públicos ou residenciais e respectivos elevadores ou escadas de acesso.

Caso você tenha sofrido algum tipo de discriminação racial, procure os endereços abaixo:

Procuradoria Geral da Defensoria Pública
Rua Profa. Alice Azevedo, 461 – 1.º andar – Centro
João Pessoa – PB CEP: 58.013-480
Tel.: (083) 241- 1113/1937


Conselho Estadual de Defesa dos Direitos do Homem e do Cidadão (CEDDHC)
Rua Profa. Alice Azevedo, 461 – 2.º andar, da sala 272/276 - Centro
João Pessoa – PB CEP: 58.013-480
Telefax (083) 221- 3593"

Fonte:http://www.dhnet.org.br/w3/ceddhc/bdados/cartilha14.htm

**Não devemos aceitar  ou ficar  indiferentes a nenhum tipo de descriminação seja ela de que tipo for.. portanto denuncie... denuncie sempre não podemos calar diante deste tipo de abuso..!!

3 de novembro de 2010

Reações violentas!

"Está se tornando algo comum as pessoas reagirem com violência ao mal que lhes acontece, ou àquilo que está em desacordo com os seus desejos.

Exatamente como a criança indisciplinada reage, gritando, jogando coisas quando suas vontades não são atendidas, as pessoas estão se permitindo agredir, revidar.

Quando o trânsito está lento há os que xingam a administração pública que não planeja vias melhores para o escoamento rápido dos veículos.

Se a loja informa que o artigo em oferta acabou, há os que se acham no direito de agredir os funcionários, acusando-os de propaganda enganosa.

Se o caixa se engana no troco, logo se afirma que ele é um indivíduo desonesto, desejando engordar o próprio salário.

Se a empregada pede para sair um pouco mais cedo, dizendo que deve levar o filho ao médico, logo alguém diz que ela não deseja trabalhar, que está inventando mentiras.

Se alguém esbarra em outra pessoa na rua, de imediato gritam alguns que o sujeito é mal educado, malcriado. Um abuso!

Em síntese, estamos vivendo uma época de muita agressividade. E nos queixamos da violência que toma conta das ruas, sem atentarmos que nós mesmos, muitas vezes, também agimos com violência.

Conta-se que um grande militar, desejando se espiritualizar, escolheu um sábio religioso e lhe perguntou:

- Onde começa o inferno?

O pensador experiente meditou e falou:

- Por que um homem sem escrúpulos deseja saber onde começa o inferno? Cheio de armas destruidoras de vida, acerca-se de mim para perguntas tolas. O que espera que lhe diga, eu, que sou um homem de paz e justiça?

Antes que continuasse, o militar o interrompeu, levantando a espada e exigindo, cheio de raiva, que o sábio o respeitasse.

Sem qualquer receio, o homem velho esclareceu:

- Aqui começa o inferno: na raiva descontrolada.

O guerreiro compreendeu e num gesto rápido, tornou a colocar na bainha a espada, pedindo desculpas.

O sábio então o esclareceu:

- Homem, nesse seu gesto começa o céu.

***

A raiva pode ser comparada a uma faísca portadora do poder de atear grandes incêndios. Basta uma palavra mal pensada, um gesto imprevisto para a gerar.

Quando solta, desencadeia conflitos inúteis e destruidores.

O homem que alimenta a raiva e se deixa dominar por ela, se torna bruto e violento.

Os antídotos para a raiva são a humildade que leva o indivíduo a reconhecer a própria fragilidade; a paciência, que lhe permite acompanhar o desenvolvimento da questão; a tolerância que entende a dificuldade alheia; enfim, o amor que é abençoada luz em todas as circunstâncias."
 

Autor:
Fonte: Livro Perfis da vida, cap 6. 

http://www.reflexao.com.br/mensagem_ler.php?idmensagem=156

Sábias Palavras - de Lao Tsu

 
"Aquele que conhece os outros é sábio.
Aquele que conhece a si mesmo é iluminado.

Aquele que vence os outros é forte.

Aquele que vence a si mesmo é poderoso.

Aquele que conhece a alegria é rico.
Aquele que conserva o seu caminho tem vontade."

"Seja humilde, e permanecerás íntegro.
Curva-te, e permanecerás ereto.
Esvazia-te, e permanecerás repleto.
Gasta-te, e permanecerás novo."

"O sábio não se exibe, e por isso brilha.
Ele não se faz notar, e por isso é notado.
Ele não se elogia, e por isso tem mérito.
E porque não está competindo, ninguém no mundo pode competir com ele." 
 
Trechos do livro "Tao Te King", de Lao Tsu:

Linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...